Guerra Fria (Crítica)

Kadu Silva

Romeu e Julieta em tempos de guerra

A guerra é uma dos assuntos mais inspiradores para os cineastas mundo a fora, existe diversas formas de mostrar o terror desse momento para um país e seus cidadãos, do espetáculo visual do conflito armado até um olhar mais intimista, mas o diretor polonês Pawel Pawlikowski (Ida) resolveu mostrar um casal de romance proibido vivendo num momento desses.

O casal é Zula (Joanna Kulig) e Wiktor (Tomasz Kot) eles estão nos anos 50 durante a Guerra Fria entre Polônia stalinista e Paris vivendo na Polônia sitiada. Ele um músico amante da liberdade e ela uma jovem cantora atrevida e sedutora, mesmo com temperamentos completamente distintos, eles acabam se apaixonando, mas a diferença de idade e a hierarquia os colocam na marginalidade para viver esse amor impossível.

O roteiro de Pawel Pawlikowski usa da poesia e da humanidade como forma de mostrar as consequências da guerra na vida desses dois personagens. Tudo que ocorre com eles é sempre fruto do momento político e sempre é algo não muito favorável ao casal. A deterioração física e mental de ambos é sentida a cada momento que a trama avança nos anos em que o romance é mostrado. É fácil notar uma certa inspiração a clássica história de William Shakespeare, Romeu e Julieta, só que de forma mais dura e pouco romantizada.

Guerra Fria (Crítica)

De forma muito inteligente Pawel, usa o frame quadrado da tela, o que confere a seu olhar sobre a história um acolhimento sentimental, é quase um retrato das memórias e isso se estende a montagem que tem cortes bruscos para sempre seguir mostrando as consequências da guerra no casal, tudo em preto e branco para tirar qualquer distração do foco central da trama.

Pawel consegue com seu filme representar de forma muito clara o amor desse casal, com seus altos e baixos. Ele faz uso da contemplação do silencio para que o espectador sinta o sentimento dos personagens, sem subestimar a plateia com diálogos óbvios do que a história por si só já está mostrando em suas imagens, existe assim uma melancolia e uma doçura emocionante na trajetória desses dois personagens.

O filme traz também momentos musicais que são verdadeiras obras primas, pelas letras tocantes ou mesmo pelo resultado visual de encher os olhos.

Guerra Fria é uma obra tristemente romântica, daquelas que dificilmente vai sair da mente de forma rápido.

P.S. O filme é o representante da Polônia a uma vaga entre os finalistas na categoria de melhor filme em língua estrangeira no Oscar 2019.

Pôster de divulgação: Guerra Fria

Pôster de divulgação: Guerra Fria

SINOPSE

Durante a Guerra Fria entre a Polônia stalinista e a Paris boêmia dos anos 50, um músico amante da liberdade e uma jovem cantora com histórias e temperamentos completamente diferentes vivem um amor impossível.

DIREÇÃO

Pôster de divulgação: Guerra Fria Pawel Pawlikowski

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Pawel Pawlikowski
Título Original: Zimna Wojna
Gênero: Drama, Romance
Duração: 1h 27min
Classificação etária: 14 Anos
Lançamento: 7 de fevereiro de 2019 (Brasil)

Comente pelo Facebook